Publicado em México

México- Veracruz, Xico, Coatepec, Orizaba – 14.09.14


No dia seguinte fui acordada por volta de 7h da manha por um animado grupo do hotel.

10679524_10204051645348668_8276463583954185914_o

O tempo estava chuvoso. Fiz meu primeiro café na varanda da barraca, com café quentinho e depois fui para o café da manhã esquisito com uma conotação portuguesa. Na minha primeira viagem ao México eu estranhei muito o café da manhã: eles comem frijoles (os feijões fritos), guacamole (creminho de abacate), bacon, salsicha, difícil achar pãezinhos, frios e bolos.

10338538_10204051640988559_3052558417099222533_o

Tomei banho e fui para o “refeitório”, porém adivinhe quem eu encontrei no meio do caminho? Um sapo ou perereca ou rã ou sei lá o que! Corri muito!!! Depois fiquei com medo de voltar a barraca, fiquei com medo de entrar na barraca. Quando você vê o animal dá medo mas é ok. Quando você não o vê, dá pânico!!! Ele pode aparecer a qualquer momento. Lá no hotel tem vários cães para espantar sapo :p

Eu tinha agendado um rapel de 25m que fica próximo as instalações do México Verde que seria mais ou menos equivalente a um prédio de 7 andares (já é alto, né?). Mas adivinhem – estava com tanta coragem que pedi para trocar pelo rapel de 85m (um prédio de 25 andares!!!!). O morro para fazer este rappel fica na cidade (ou seria vilarejo??) de Xico. Felizmente fui adotada pela família Rullan/Santaella que me deram muita força. Pensei que não ia sentir tanto medo porque já tinha feito rapel (sim chorei da outra vez que fiz em Itaipava, mas já sabia o que viria, como era se algo saísse errado…), e além disso me pareceu mais seguro porque se acontece algo o instrutor tem mais controle que no rafting por exemplo. Pois bem, coloquei todo o equipamento e quando comecei a treinar os movimentos para descer… tcharannnn: comecei a chorar Não conseguia manipular as cordas para descer ou frear… eu não tinha força. Como era uma altura muito grande, os equipamentos eram diferentes do pequeno rapel que eu havia feito no Brasil.

Foi aí que veio a grande lição do meu instrutor Rafael: podemos fazer tudo o que quisermos, se esta for realmente nossa vontade. Porém as vezes precisamos de uma ajuda. Então ele disse que desceria o primeiro nível comigo (uns 2m). Ainda assim fiquei com medo porque eu realmente não tinha força. Foi então que ele sugeriu que eu descesse pela corda de segurança. O medo ainda existia mas sentia confiança em descer e desci. Lição daquele domingo 14/09/2014: precisamos uns dos outros e se tivermos limitações, com com adaptações podemos chegar aonde quisermos!

O pessoal tirou muita foto minha chorando, mas ninguém me mandou!

As fotos que eu tenho foram as que eu tirei da máquina descartável a prova d’água que eu havia comprado. Agora tenho uma máquina a prova d’água, mas realmente eu não teria como tirar foto minha.

Este era o costão ao lado de onde desci de rapel em Xico.

10687251_10204051696429945_2078324304658936161_o
um pouco antes do rapel

10563077_10204097634058357_6333952026630131156_n

Foi verdadeiramente um grande desafio descer. Caminhamos bastante para voltar mas valeu a pena. Após todos descerem fomos almoçar e experimentei um prato típico mexicano: mole. Mole é um molho de chocolate apimentado que é posto sobre o frango. Comi com arroz vermelho (arroz cozido com tomate/molho de tomate). É bem gostoso. Quando fui a Puebla comprei potes deste molho e trouxe para o Brasil.

10683404_10204051714950408_1505074727222172133_o
Almoço depois do rapel
1977049_10204052510090286_6774944114987489884_n
Mole Poblano que fiz em casa!

Depois do almoço fomos para o Museu do Café localizado em Coatepec. No caminho comprei 2 garrafas de  torito, uma bebida típica da região feita  artesanalmente: aguardente, leite e fruta. Uma delícia. Pude experimentar vários sabores, mas comprei de amendoim e framboesa. Ao longo da viagem comprei tanta coisa que experimentei… Aliás esta foi a primeira e única viagem até hoje que trouxe (na verdade comprei lá) uma mala só de comida! Vou fazer um post destacando apenas as comidas, afinal não só de tacos, nachos e guacamole vivem os mexicanos!

10540674_10204051719630525_8758338807963005348_o

10687996_10204051731510822_3180647454244784037_o

Este museu é bem legal. Vamos a plantação do café e vemos cada um dos passos que o café é submetido até chegar as nossas xícaras – incluindo a parte do ensacamento e armazenagem. É realmente muito interessante.

Chegamos no hotel muito mais tarde do que eu gostaria. Eu já havia feito o check out e iria até Xalapa (ou Jalapa??) pegar um ônibus até Orizaba (a viação ADO faz esse percurso e o preço da passagem é MXN 240), meu próximo destino, onde encontrei meu amigo Oscar Cárdenas para mais um dia de aventura <3.

Cheguei  em Orizaba era mais de meia noite.

Anúncios
Publicado em México

México- Veracruz e Jalcomulco- 13.09.14 –


No sábado acordei o mais cedo que pude. Tinhas minhas últimas horas em Veracruz antes de ir para Jalcomulco, mais precisamente no hotel Mexico Verde, um resort de aventuras. Não sei como consegui achar este hotel, mas de uma coisa eu tenho certeza: voltarei um dia com a Stephanie!

Mas vamos voltar as últimas horas em Veracruz.  Peguei um táxi e fui conhecer Boca del Rio, que é como se fosse a Barra da Tijuca de Veracruz. Muitos condomínios de casas belíssimas em frente ao mar. Cheguei lá por volta de 7h da manhã e fiz uma boa caminhada na praia. A praia não tem areia e não parecia muito apta a mergulhar (fora o fato do mal tempo que peguei nestes dias!).

10678728_10203951079274579_3376452177058450365_n
Primeira observação: não há pombos no México, há cuervos!
10628355_10203951084514710_6582994776366552377_n
Frida Khalo na orla de Boca del Rio!
10445571_10203961774541954_5142018474415000027_n
Que nunca nos falte: Amor, Honra e Verdade – Bem ser, Bem fazer, Bem estar, Bem comum! – Monumento em Boca del Rio

No final da orla há um monumento em homenagem a cultura Papantla – os homens voadores: um ritual indígena criado para pedir que Deus acabe com a seca.  O ritual consiste em uma dança, onde se escala um poste de 30 metros a partir da qual quatro dos cinco participantes, jogam-se amarrados com cordas para descer até o chão.  O quinto permanece no topo do mastro, dançando e tocando flauta e tambor. Vi este ritual ao vivo quando fui a Teotihuacan (cidade antiga onde ficam as pirâmides astecas!) e é bem legal!

10676318_10203987767991774_4522262277204184312_n

Depois da caminhada fui tomar café da manhã num lugar bem famoso no México: Gran Café La Parroquia: um café datado de 1750! Tradicionalmente as pessoas pedem café com leite (dizem que essa combinação foi inventada pelos holandeses, vocês sabiam?!). Enquanto o garçom “derrama” o leite sobre o café, batemos a colher  no copo nesta cafeteria. É muito legal!

10675769_10203951667609287_1153594285424839268_n

Comi correndo e voltei para o hotel. O transfer para México Verde já estava me esperando. Se você quiser ir ao resort México Verde, a melhor opção é ir de avião até Xalapa ou Jalapa (é o mesmo lugar!). Uma curiosidade a pimenta jalapeña não é produzida em Jalapa – fiquei arrasada – não entendi nada sobre essa falsa alusão!

Conheci o México Verde no Brasil, quando fazia uma busca de Rafting próximo a Veracruz. Eu queria aventura e diversão nessa viagem – e o México Verde é uma grande família onde você certamente encontrará isso. Fui imensamente bem recebida – havia explicado para a menina qual era minha situação, que estava viajando sozinha, mas não queria me sentir sozinha.  O México Verde oferece as seguintes atividades:

  • Outdoor Training
  • Bicicleta em Trilha
  • Escalada
  • Gotcha
  • Caiaque
  • Rafting
  • Rappel: tem 2 possibilidades com alturas diferentes: 20m  e 50m (este em Xico)
  • Tirolesa
  • Trekking Aquático
  • Canionismo
  • Tour Museu Café
  • Banho de Temazcal
  • Sandboarding (em Chachalacas, a 50km de Veracruz)

Eu fiz rafting, rappel e o tour do museu do café. Queria ter feito o banho de Temazcal, mas não consegui porque não tive tempo (porém consegui fazer o banho quando fui em Puebla – vou contar como foi!!!)

Cheguei  no hotel próximo a hora do almoço – são quase 2 horas de Veracruz até o hotel que fica no município de Jalcomulco. O hotel oferece todas as refeições para quem se hospeda e é possível fazer as atividades sem se hospedar. Esse hotel é um acampamento de luxo, e vocês perceberão isso com as fotos das acomodações:

10628694_10204051617107962_8802617342161446154_o
Minha barraca!

 

10452955_10204051616867956_4484832814492260780_o
Lateral da Barraca
10683665_10204051614827905_6598408238870699960_o
Varandinha

Banheiro dentro da barraca, isso que é acampar em grande estilo!

10662018_10204051618067986_1751439699961696363_o
De onde vem a água quente!
10271165_10204051612227840_546933181443014609_o
Minha cama!
10700706_10204051613227865_274706127937037143_o
Varandinha!
1966181_10204051620508047_3959815852577122665_o
Várias Tendas/Barracas

Depois de deixar minhas coisas no quarto, fui para piscina para relaxar um pouco antes do almoço e do rafting que fiz naquela tarde.

10686600_10203961968146794_734483839051210881_n

Quando os instrutores do rafting começaram a ensinar o que fazer pensei… o que estou fazendo aqui! Morro de medo disso, porque resolvi me desafiar a enfrentar isso ???? Foi aí que comecei meu segundo desafio do México, após conseguir “domar” os golfinhos.  Pegamos o transporte até o rio e foi um momento de super reflexão. Ainda dava pra desistir. Mas onde fica a superação??? Te digo que o rafting para mim foi um excelente treinamento. Treinamento de liderança e trabalho em equipe. Agradeço meu instrutor Oscar Ortega Gomes por toda segurança que me passou. Sem VOCÊ eu não teria conseguido. Acho que isso é ser um líder de verdade, passar segurança a equipe, mostrar que todos podem, coordenar um grupo tão heterogêneo. Queria agradecer a toda minha equipe. É uma pena que eu não tenha pego contato deles, mas Defenhos Sarah, Maurício, Fernando e Alejandro, onde quer q vcs estejam saibam que aquela tarde ficará na minha mente, em minha memória para sempre. O nosso trabalho em equipe, toda nossa coordenação, força e coragem que vocês me deram! Me fizeram pular no rio! E Oscar você tem toda razão: fiquei boa parte com pezinhos de águia no meu ponto de segurança porque estava com muito medo de cair em qualquer tranco! Passamos pelas portas do inferno e saímos ilesos!!!!! 

10885267_10204716109839865_2940533512172634134_n
Nosso Grupo: Sarah, Maurício, Oscar, eu, Alejandro e Fernando

10390918_10204716249683361_5048851204481626006_n

10473925_10204716266043770_1439660699862322867_n

10891461_10204716255163498_6961099047940919844_n10505584_10204096716955430_2856773182749726804_n

Voltamos revigorados querendo ir de novo! Nos momentos calmos do rio foi terapêutico, cada um contando sua história. Nos momentos tensos gritei muito, mas não desisti jamais (até porque não daria rs), não chorei (no rappel eu chorei, vocês saberão).

Voltamos para o hotel, tomei um bom banho e fui para festa que havia lá. Era o final de semana de independência do México e todos estavam muito animados. Comi espiga de milho com maionese entre outras coisinhas típicas. Cambaleei até minha barraca (dica levem lanterna!!) e dormi profundamente até o dia seguinte <3!

10458998_10204051631628325_3107433111310747952_o

Publicado em México

México- Veracruz – 12.09.14 –


Meu primeiro dia efetivamente em Veracruz começou bem cedo. Apesar do cansaço, a diferença de fuso fez com que eu acordasse as 6h da manhã local e mesmo sendo verão estava bem escuro. O dia começou a clarear eram quase 9h !

O tempo estava bem ruim, o que desanima um pouco numa cidade litorânea. Havia pesquisado o que tinha em Veracruz e encontrei os seguintes pontos turísticos: carnaval (semelhante ao do Rio de Janeiro – em fevereiro), Forte de San Juan de Ulua, Aquário de Veracruz, Malecon, Voladores de Papantla, Museu Histórico Naval, Paplanta, Totonal.

Peguei um táxi em frente ao hotel e pedi para ir ao Aquário de Veracruz. Em frente ao aquário havia algumas pessoas vendendo um passeio de barco até “Cancuncito” e Isla de los Sacrificios.. O barco era bem velhinho, porém todos tinham colete salva vidas. Me diverti bastante. Neste passeio comecei a fazer coisas incríveis para mim, como por exemplo pegar uma estrela do mar que não se mexe (que era ok!) e uma que se mexia, muito nojenta!

Estrelas do Mar em Cancuncito (banco de areia no meio do mar aberto próximo a Isla de Sacrificios) – uma das reservas de recifes mais importantes do Golfo do México. Esta área é protegida pela secretaria de meio ambiente e recursos naturais do México e não podemos levar se quer uma conchinha de recordação.

1966149_10204050972411845_6907995726061109200_o
Isla de Sacrificios

 

10687374_10204050973651876_583838215443060564_o
Peixes de Cancuncito
1557199_10204050970251791_3312657223268824327_o
No barco rumo Cancuncito
10648264_10204050995172414_6436646092736599110_o
Ensopada voltando de Cancuncito – Peguei muita chuva!

Fiz amizade com algumas pessoas que estavam no barco que eram da cidade de Puebla (que vamos conhecer também!) e esperamos a chuva diminuir para irmos ao aquário de Veracruz (o aquário fica do lado do desembarque do barco, mas esses novos amigos queriam pegar uma coisa no carro e por isso ficamos conversando um bom tempo – mais de 2 horas!). Me arrependi um pouco, porque no final fiquei sem paciência de esperar, comi na lanchonete no shopping onde fica o aquário e acabei entrando sozinha para visita. A entrada para o aquário custa MXM 120. Antes de entrar resolvi comprar um ticket para nadar com os golfinhos. Porém diferente do que fiz em Cancun, resolvi comprar o programa completo oferecido. O pacote completo custava MXM 999 e conforme fui adentrando o aquário, minha coragem foi indo embora.

Diverso peixes, medusas, pinguins, tubarões, lobos marinhos e até pássaros são as atrações do aquário. No final do aquário há um grande tanque onde há as apresentações com golfinhos e onde são feitos os nados com golfinhos.

10571997_10204051005252666_4309275713141008002_o

10662197_10204051008852756_6303510672754340057_o

Quando cheguei no final do aquário, havia um formulário para eu preencher antes de entrar no tanque dos golfinhos.  Eu avistei o tanque e senti muito medo. Ele era muito profundo. Tinha uma arquibancada para os visitantes verem o nosso momento. Tinha um termo que o aquário não se responsabilizava se não soubéssemos nadar (aí pensei: não vamos estar de coletes? como assim não se responsabiliza se não sabemos nadar?!). Pânico. Falei com uma das atendentes que não queria mais. Ela me perguntou porque e falei dos motivos acima. Ela me tranquilizou falando que havia aquela cláusula porque não havia lugar para colocar o “pezinho” de semi apoio em lugar algum do tanque e tem muitas pessoas que não sabem nadar nem um pouquinho, não sabem boiar e ficam desesperadas quando percebem como é o tanque. Fiquei aliviada, mas ainda com receio. Chegou a hora de nos encontrarmos com os golfinhos. Fiz amizade com as meninas e tinha gente de todo tipo (inclusive do tipo que vestiu a roupa de mergulho oferecida sem biquíni).  No final eu tive que dar apoio para uma menina que estava apavorada com medo de afogar no tanque  (sim, tique dar meu ombro pra ela rs e puxá-la pelo braço). Adorei, acho que vou fazer todas as vezes que eu tiver oportunidade. Desta vez estava meio agoniada de dar beijo no delfine, não rolou uma química. O último exercício era a famosa surfada nos golfinhos. Estava semi decidida a não ir (muito medo!!!), mas o pessoal me convenceu e eu adorei! Gritei muito, bebi muita água quando ele me arremessou no tanque!

10658514_10204051015652926_1686368129366925427_o

10710447_10204051016612950_3729213837267700819_o

10414391_10204051018052986_1840361759411738125_n

Em Cancun o delfinário que fui vendia um CD com todas as fotos e filmagem. Em Veracruz eles vendiam fotos individuais impressas e por isso acabou ficando um pouco caro. Saí de lá já de noite e detonada. Fui para hotel descansar um pouco, mas meu cochilo durou mais de 8 horas. Acordei mais de meia noite e sem ideia de onde podia ir e acabei ficando no hotel planejando meu próximo dia.